A HISTÓRIA

 

500 a.C. (apnéa). Scyllis demonstra uso prático do mergulho em apnéa apresentando resgate de equipamento militar ao Rei da Pérsia.

1530 (ar de superfície). Primeiro sino de mergulho é inventado.

1650 (ar de superfície). Von Guericke desenvolve a primeira bomba para comprimir ar. Com esta bomba Robert Boyle foi capaz dos primeiros experimentos de compressão e descompressão com animais.

1667 (ar de superfície; scuba). Robert Boyle, físico inglês e idealizador da Lei De Boyle, observa formação de bolhas nos olhos de uma serpente exposta à compressão e descompressão. Ele escreveu: “Vi uma bolha muito aparente movendo-se de lado a lado na íris de uma víbora ao mesmo tempo em que o animal apresenta violentas contrações no recipiente de onde o ar foi eliminado”. Essa foi a primeira observação registrada de doença descompressiva ou “the bends.”

1690 (ar de superfície). Edmund Halley (do cometa) patenteia um sino de mergulho conectado por mangueiras a barrís de ar lastreados que podem ser renovados da superfície. Tanto os barris quanto ao sino (este leva um homem dentro) foram baixados a 18m por 90min. Assim se demosnstrou a aplicação prática do sino de mergulho.

1715 (ar de superfície). O inglês John Lethbridge constrói um “engenho de mergulho”, um barril de madeira suprido por ar-comprimido pela superfície. Dentro do “engenho” um mergulhador podia ficar submerso por 30min a 18m, enquanto espichava seus braços por buracos e manuseava os objetos de salvatagem. Mangas de couso engraxadas vedavam os braços do mergulhador. Funcionou por muitos anos.

1776 (embarcação). Primeiro ataque por submarino militar – Turtle (EUA) vs. Eagle (Inglês), porto de New York.

1788 (ar de superfície). Norte-americano John Smeaton refina o sino de mergulho; incorpora uma eficiente bomba manual para suprir ar fresco comprimido e uma válvula unidirecional para evitar que este retornasse pela mangueira quando o bombeamento parasse. Em 1790 foi usado no porto de Ramsgate, Inglaterra, para resgatar naufrágios. Em 10 anos foi adotado nos principais portos.

1823 (ar de superfície). Charles Anthony Deane, um inventor inglês, patenteia um “capacete para fumaça” para bombeiros, mas alguns anos depois acaba sendo usado para mergulho também. O capacete é apoiado sobre os ombros pelo seu peso próprio, e recebe ar-comprimido da superfície por uma mangueira. Em 1828 Charles e seu irmão John Deane lançam o capacete com um “traje de mergulho.” O traje não é atrelado ao capacete, e sim fixado por tiras; assim o mergulhador não pode curvar-se sem o risco de afogamento. Mesmo assim, o aparato é aplicado em salvatagem e resgates de naufrágios com sucesso, incluindo remoção de canhões do Royal George em 1834-35.

1837 (ar de superfície). Inventor alemão Augustus Siebe, vivendo na Inglaterra, acopla o capacete de mergulho dos irmãos Deane (veja 1823) a um traje de borracha isolado com enchimento de ar. O traje de escafandro fechado conectado ao compressor na superfície torna-se o primeiro conjunto padrão realmente eficaz, e é modelo para os atualmente usados. No seu obituário, Siebe é descrito como “Pai do Mergulho”.

1839 (ar de superfície). O traje de mergulho de Seibe é usado na salvatagem do vaso de guerra inglês HMS Royal George. O navio de 108 canhões afundou em 21 metros no ancoradouro de Spithead em 1783. O “traje Siebe melhorado” é adotado como standard pela Engenharia Real Britânica. Durante esse resgate, que seguiu até 1843, os mergulhadores reportavam sofrer de um “reumatismo e gripe”, sem dúvida sintomas (entre os primeiros registrados) de doença descompressiva. Também pela primeira vez no mundo esse resgate adotou os “sistema de duplas” em mergulho.

1843 (ar de superfície). Como saldo da experiência acumulada na salvatagem do HMS Royal George, a primeira escola de mergulho é estabelecida pela Royal Navy.

1865 (ar de superficie air, scuba). O franceses Benoit Rouquayrol e Auguste Denayrouse, um engenheiro de minas, o outro tenente naval, patentearam um aparato de respiração sub-aquática. Consistia de um tanque de aço com ar-comprimido (entre 250-350 lbs) montado horizontalmente nas costas do mergulhador, conectado por uma válvula até um bocal. Patenteado como “Aerofore,” o equipamento fornece ar apenas quando o mergulhador inspira, através de uma membrana sensível a pressão externa da água: de fato foi o primeiro regulador de demanda para uso sub-aquático em uso. Com esse aparato o mergulhador é atrelado à superfície por uma mangueira que bombeia ar ao tanque de baixa-pressão, mas o mergulhador pode libertar-se e caminhar no fundo por alguns minutos. O aeróforo The aerophoro é o precussor do moderno Scuba. Foi o equipamento usado pelas marinhas francesas e outras por anos, e é muito citado no romance ’20,000 Léguas Submarinas ‘ de Júlio Verne.

1873 (ar de superficie). Dr. Andrew H. Smith apresenta seu relatório como médico-chefe para a New York Bridge Company, construtores da Ponte do Brooklyn, sobre os trabalhadores que sofreram de DD depois de deixarem os tubulões pressurizados. (“Bends” era problema comum entre operários de fundações submersas. A doença também afetou o Engenheiro-chefe Washington Roebling; ele desenvolveu caso grave mas não letal de soença descompressiva – DD – afetando permanentemente sua saúde). No momento do relatório, que recomendava uso de câmeras de recompressão em projetos futuros, a parte submersa da obra já estava conclusa. O relatório do Dr.Smith não faz qualquer menção à causa da doença descompressiva: bolhas de nitrogenio.

1876 (scuba). Um marinheiro inglês (marinha mercante), Henry A. Fleuss, desenvolve o primeiro efetivo sistema autônomo de mergulho com oxigênio comprimido (invés de ar-comprimido). No seu protótipo de scuba em circuito fechado, que é o precurssor do moderno sistema scuba de circuito fechado de uso militar, o dióxido de carbono é absorvido por uma corda embebida em cal-sodada, afim de que o ar respirado possa ser reciclado e re-respirado (sem soltar bolhas na água). Apesar da profundidade limitada (oxigênio puro é tóxico além de 7m de profundidade, fato desconhecido na época), o aparato permite mergulhos relativamente longos, de até 3 horas. Em 1880, o sistema de Fleuss é usado pelo famoso mergulhador britânico Alexander Lambert para penetrar um túnel inundado e vedar uma comporta; a comporta ficava a 18m da superfície e 300m túnel adentro.

1878 (ar de superfície; scuba). O francês Paul Bert publica La Pression Barometrique, um trabalho de 1000 páginas contendo seus estudos fisiológicos sobre mudanças de pressão. Ele mostra que a Doença Descompressiva é devida à formação de bolhas de nitrogênio, e sugere subidas graduais como prevenção ao problema. Também mostra que as dores podem ser aliviadas por recompressão. Bert fornece a ligação entre as observações de Boyle de bolhas descompressivas no olho de uma serpente (1667) e os sintomas em trabalhadores com ar-comprimido no início do séc.XIX.

1908 (ar de superfície; scuba). Em 1906 o Governo Britânico solicita a John Scott Haldane, um eminente médico escocês, a realizar pesquisas para prevenção da Doença Descompressiva. Dois anos mais tarde, Arthur E. Boycott e Guybon C. Damant, publicam um marco no estudo da DD (feito a partir de experimentos com cabras). “A Prevenção de males do Ar-comprimido” traça o caminho para os estágios de descompressão. Tabelas baseadas no seus trabalhos são logo adoadas pela British Royal Navy e mais tarde pela Marinha dos EUA, salvando muitos mergulhadores da DD.

1912 (ar de superficie; scuba). A U.S. Navy testa as tabelas publicadas por Boycott, Damant e Haldane.

1917 (ar de superfície). O Bureau de Construção e Roforma dos EUA introduzem os “escafandros” Mark V. Quando atrelado aos trajes de mergulho profundo e mangueiras de umbilical, o Mark V torna-se padrão por décadas. O “escafandro” Mark V é usado em praticamente todo e qualquer serviço de resgate e salvatagem durante a Segunda Guerra Mundial, sucedido apenas em 1980 pelo MK12. “Tão prático era seu design que muito poucas modies foram incorporadas, e os modelos recentes diferem suavemente do modelo de 1917.” (Leaney 1993)

Anos 1920 (ar de superficie; scuba). Pesquisas começam nos EUA para uso de misturas de hélio-oxigênio para mergulhos profundos além de 50m. Ao início da Segunda Guerra, os EUA possuem o monopólio do hélio.

1924 (ar de superficie; scuba). Primeiros mergulhos experimentais com hélio-oxigênio são realizados pela U.S. Navy e o Bureau de Mineração.

1930 (embarcação). William Beebe, um pioneiro do mergulho e “naturalista oceanográfico” desce 4276m numa batisphera de 1,5m; ficava preso a uma balsa por uma cabo de aço de 7/8″. Desse mergulho Beebe descreve:

…There came to me at that instant [1426 feet down] a tremendous wave of emotion, a real appreciation of what was momentarily almost superhuman, cosmic, of the whole situation; our barge slowly rolling high overhead in the blazing sunlight, like the merest chip in the midst of the ocean, the long cobweb of cable leading down through the spectrum to our lonely sphere, where, sealed tight, two conscious human beings sat and peered into the abysmal darkness as we dangled in mid-water, isolated as a lost planet in outermost space.

Anos 1930 (apnéa). Guy Gilpatric, um ex-aviador norte-americano morando no sul da França, inaugura o uso de óculos de borracha com lentes para mergulho livre. Em meados dos anos 30, máscaras faciais, nadadeiras e snorkels tornam-se populares. As nadadeiras são patenteadas pelo francês Louis de Corlieu, em 1933 (chamadas “Propulsores de natação”) e mais tarde popularizada mundialmente pelo animador americano Owen Churchill (1940). A máscara moderna (incluindo olhos e nariz ao contrário dos simples óculos), recebe idéias de muita gente, incluindo o Russo Alec Kramarenko, e o francês Yves Le Prieur e Maxime Forjot. Em 1934, Gilpatric escreve seus mergulhos de exploração no Mediterâneo no jornal The Saturday Evening Post, e em 1938 publica “The Compleat Goggler”, o primeiro livro sobre mergulho amador e caça-submarina. Entre os leitores do livro, um tenente da Marinha Francesa chamado Jacques Cousteau.

1933 (apnéa). Primeiro clube esportivo de mergulhadores é fundado na Califórnia – EUA, chamado Bottom Scratchers; a year later an amateur diving group, Club des Sous-l’Eau, is founded in Paris. A primary purpose of these and similar clubs is underwater spear fishing.

1933 (scuba). Capitão da marinha Francesa Yves Le Prieur modifica o invento de Rouquayrol-Denayrouse ao combinar uma válvula especial de demanda com um cilindro de alta pressão (1500 psi) para dar completa liberdade ao mergulhador. O equipamento não tem um regulador; o mergulhador recebe um sopro de ar fresco ao abrir uma torneira, enquanto o ar respirado sai pelas bordas da máscara de mergulho. (Em 1938 Cousteau usa esse equipamento mas, como escreveu em O Mundo Silencioso, “a descarga contínua de ar permite apenas curtas imersões”). Em 1935 Le Prieur vê seu SCUBA adotado pela Marinha da França.

1934 (embarcação). Em 15 de Agosto, William Beebe e Otis Barton descem 3028 pés numa batisfera nas ilhas Bermuda. Esse recorde se mantém por 14 anos.

1936 (scuba). Le Prieur funda o primeiro clube de mergulho SCUBA, chamado “Clube de Mergulhadores e Vida Marinha.”

1938 (ar de superfície; scuba). Edgar End e Max Nohl faz o primeiro mergulho de saturação intencional na câmera hiperbárica do Milwaukee Hospital hyperbaric chamber por 27h a 30metros. Decompressão de cinco horas não impede que um dos mergulhadores (Nohl) sofra doença descompressiva.

1941-1944 (scuba). Durante a 2ª Guerra, mergulhadores italianos partindo de mini-submarinos usam equipamento scuba de circuito fechado para colocar explosivos em navios Ingleses. Mais tarde os Britânicos adotam a mesma tecnologia para afundar o cruzador alemãoTirpitz.

1942-43 (scuba). Jacques-Yves Cousteau (tenente da marinha Francesa) junto de Emile Gagnan (engenheiro da Air Liquide, companhia Parisiense de gás), trabalham juntos para redesenhar um regulador que forneça automaticamente ar comprimido ao mergulhador, ao menor esforço de inalação. (Até essa data, o ar era fornecido continuamente ou operado manualmente). Cousteau e Gagnan acoplam seu novo regulador de demanda a mangueiras, um bocal e a um par de cilindros de ar-comprimido. Em January de 1943, Cousteau realiza teste no frio Rio Marne, perto de Paris. Após alguns ajustes, é patenteado o Aqua Lung…

1985 (embarcação). Equipe Franco-Americana comandada pelo pesquisador Robert Ballard, usando uma câmera por controle remoto presa à uma nave-mãe, encontra os remanescentes do naufrágio do Titanic. O navio estava partido em dois a 3.600 metros no fundo do Atlântico a 400 milhas a nordeste de New York. Em 15 de April de 1912, com cinco dias de sua viagem inaugural, o Titanic bate num iceberg e afunda em menos de três horas. Era o maior navio do mundo na ocasião. Um total de 1522 passageiros e tripulantes morrem. Desde 1985, tanto a marinha dos EUA quanto da França revisitaram o naufrágio e recuperaram artefatos do navio.

1993 (scuba). Celebração mundial do 50º aniversário da invenção do mergulho scuba moderno. PADI, a maior das agências de treinamento certifica sozinha 515.000 novos mergulhadores no mundo inteiro.

Década 1990 (scuba). Estimados 500,000 novos mergulhadores scuba recreacionais são certificados anualmente apenas nos EUA, novas revistas de mergulho surgem, computadores de mergulho se proliferam, novos live-aboards cruzam as águas e o turismo de mergulho movimenta bilhões. Nos EUA (onde há estatísticas), a indústria do mergulho recreacional ganha grande impulso na economia. Simultaneamente, ocorre a expansão do “mergulho técnico”, uma modalidade para mergulhadores não-profissionais que usam tecnologias avançadas, incluindo misturas gasosas, máscaras “full-face”, comunicação sub-aquática com fonia, sistemas de propulsão, etc.

 

História do Mergulho 

A aventura começa aqui!

Certificações:

Receba nossa agenda!

© 2015 - 2019 Criado e Desenvolvido por Régis Damiani